Não leve por trás por Não leve por trás
30 jan 2014 às 22:47
 Vida loka Essa teve! 

Nascimento
Ao nascer, foi chamada de Amy, nome de sua mãe, e Braga, nome de seu pai. Ela nasceu dentro de um pub inglês, ou seja, bares ingleses cheios de bebedeiras, brigas e pileques. O “Winehouse” de seu nome foi em homenagem ao bar onde sua mãe cantava e se prostituía que, mais tarde foi transformado em bordel. Desde pequena, a pobre Amy era arrastada para os bares e assistia a mãe divorciada cantar despida no palco, entupir-se de drogas ou transar com os clientes. Quando o bar faliu, mãe e filha foram obrigados a voltar para a casa do pai. O pai, desempregado, vivia chegando bêbado em casa e agredia a mãe e coagindo Amy, então com um ano de idade, a se embebedar. Uma vez, depois de uma discussão, Amy foi atirada pela janela pelo pai completamente bêbado, mas sobreviveu. Sua infância sofrida foi marcada por vícios, violência e drogas. Seu pai fora detido pela polícia e a mãe mal podia se sustentar. Assolados pelo desespero, mãe e filha embebedavam-se para afogar suas mágoas. Anos depois, com a volta do pai, a mãe fugiu com um caminhoneiro sem dar nenhum adeus.
   
Infância
Com quatro anos de idade, Amy Winehouse já era viciada em crack, ecstasy, heroína, LSD, uísque e vodka. Para manter o vício, às vezes, cheirava o fundo das latas de aerossol ou comia lascas de tinta anti-aderente. Seu pai, inveterado, mal-tratava-a e, quando bêbado, estuprava-a repetidas vezes e, um dia, completamente drogado, coagiu o cão a estuprar Amy. Amy então, de madrugada, dobrou a dosagem de heroína do pai e o assassinou por overdose, depois, consumindo-se de remorso, decidiu se suicidar e injetou a mesma quantidade de heroína, mas sobreviveu. Então, foi morar com o avô, um pedófilo psicopata que abusava de criancinhas vestido de palhaço e, quando mal foi enviada à guarda do avô, foi submetida a escrava sexual e testadora de drogas. Nessa época, conheceu Christianne F., viraram amigas e ambas se drogavam enquanto cabulavam aulas, entupiam-se de crack e maconha até que um dia, seu avô, completamente possuído por drogas e bebidas, esmurrou a porta de uma delagacia e foi preso por prisão perpétua. Amy, então, foi parar num orfanato…
… Que ficava ao lado de uma fábrica de vodka. Ainda no orfanato, Amy ficou em coma depois de um porre daqueles e, recuperada, fugiu com Christianne F. para as ruas, onde se prostituíam para alimentarem o vício e conter os sintomas da abstinência. Um dia, depois de serem espancadas num beco por roubar bebidas, Amy e Christianne F. visitaram uma festa local onde uma banda americana de rock tocariam. Visando uma ótima oportunidade para roubarem drogas e bebidas, as duas invadiram o show do qual tocaria a banda Nirvana e conheceram Kurt Cobain, do qual, imediatamente Amy viraria fã absoluta. E, então, conheceu a música.
Como cantora
Ficou famosa nos pubs britânicos por suas apresentações bizarras, inspiradas pela banda Nirvana e, assim como o próprio líder, Kurt Cobain, subia no palco completamente suja, bêbada, drogada e lixada, ou seja, em seu estado natural. Começou a copiar os discos antigos da sua mãe e copiar seu jeito de cantar. Em pouco tempo, lançara um disco que vendeu insignificantemente e um single miserável que fez um sucesso medíocre chamado Rehab, uma autobiografia resumida de sua vida. Fez sucesso nas paradas e nos tabloides ingleses depois de polêmicas, como:
  • Mijar em cima de uma viatura policial
  • Destruir uma vitrine de uma loja da Calvin Klein
  • Cair no palco
  • Subir bêbada no palco
  • Cuspir e xingar a plateia
  • Vomitar no palco
  • Agredir um paparazzi
  • Defecar em locais públicos
  • Agredir transeuntes
  • Ser autoada em flagrante
  • Ser expulsa de seus próprios shows
  • Ser internada num hospital
  • Ser internada numa clínica de reabilitação 

Principais Problemas

  • Bebedeira
  • Abuso excessivo de drogas
  • Fuga de centros de reabilitação
  • Rejeição emocional
  • Divórcios
  • Depressão
  • Perda de peso
  • Depredação
  • Auto-destruição
  • Vício de tabaco
  • Sua própria existência 


Amy Winehouse – Rehab

    Jogo dos 7 erros

    À luz do dia, ela conseguia ser mais assustadora ainda. Veja os 7 erros da “Maria Fumaça”:
     
    1) Mancha toscamente descolorida no topete; (Possível homenagem a Chimbinha)
    2) Cigarrinho que não sai detrás da orelha;
    3) Pereba porca no rosto;
    4) rabiscos de criança;
    5) Braço todo cagado com cortes e picadas de injeção;
    6) Barriguinha cheia de verme e comida do McDonald’s;
    7) Isso, POR SORTE, a gente ainda não viu!




    Hooo Gentem pera ai! isso é uma homenagem, tá mais pra esculacho LOL.



    teste

    Não leve por trás por Não leve por trás
    28 jan 2014 às 22:03
    Como flutuar:
    Primeiramente quero deixar bem claro, não sou o David Copperfield e nem o mr. M mais vou ensinar você a flutuar em uma foto, ou pelo menus parecer isso haha.
    Primeiramente olhe com atenção a imagem, man o cara não tá voando!

    Faça assim: 
    1: Coloque um pouco de água no chão.
    2: Afaste-se de água.
    3: Tire uma foto.
    Tá feito!
    Aprendeu a macumba, gostou, comenta então filho.


    teste

    Não leve por trás por Não leve por trás
    24 jan 2014 às 14:54
    Esqueça tudo que você já viu em apresentações militares ou algo similar, e aquelas marchinhas que você aprendeu na guardinha da sua cidade também LOL.
    Isso sim é uma apresentação militar de ponta e digo mais:
     Desafio você a não assistir até o final haha, vai perder em!
    Sei que essa apresentação parece nível asiático, mais as figuras ai são tailandeses, Show de bola em.



    teste

    Não leve por trás por Não leve por trás
    23 jan 2014 às 21:23
    Aparentemente são mulheres totalmente normais com o jeito típico de vestimenta, de ajeitar os cabelos e as demais características que as Bolivianas carregam. Essas mulheres que muitas vezes trabalham mais que os homens às vezes trocam as atividades domésticas por um ringue de luta.
    A luta apresentada pelas Cholitas (Como são conhecidas por lá) assemelha-se aos lutadores mascarados mexicanos (isso me lembra o desenho Mucha Lucha), ou podemos dizer até mesmo que lembra muito as lutas livres com movimentos encenados.
    Elas dispensam o uso de qualquer mascara e se trajam de forma tradicional tirando apenas seus colares e brincos. Depois da preparação essas mulheres Indígenas trocam socos, empurrões, voadoras e tudo mais que puderem ali em cima do ringue, ou fora dele como foi no caso do vídeo abaixo:
    Elas também encaram homens sem medo e dão um show no ringue:



    teste

    Não leve por trás por Não leve por trás
    21 jan 2014 às 20:48
    Mães geralmente são protetoras, cuidadosas e zelosas com seus filhos, mais atualmente não é bem assim, tem umas candangas que fazem cada coisa com seus filhos que nem vou descrever vou mostrar. Confira nossa seleção mães sem noção da internet e se espante!







    E pra fechar com chave de ouro se espante um pouco mais com esse vídeo!
    Realmente sem noção!
    Merecem uma bela salma de palmas.



    teste

    Entre na sua conta